Criação e regulamentação do corredor viário de motos - Motociclovias

por
Jaime Colorado
Jaime Colorado | Mar 3, 2015 | em Mobilidade Urbana

Criar corredores para circulação de motos: motociclovias

De forma não oficial e perigoso para ambos os veiculos, motoqueiros criam uma faixa irregular, ultrapassando pela direita e não respeitando a distância minima entre os veiculos.

A oficialização deste espaço, já natural mentalmente aos motoristas cariocas, melhoraria a segurança e a fluidez do transito.

A ideia aplica-se apenas para vias expressas e avenidas com mais de duas faixas de circulação, onde conseguiria-se reduzir a largura das faixas existentes oficializando este corredor com 60 ~80 cm de largura, mesmo que apenas para horário do rush

Felipe Mendes Mar 3, 2015

Ideia considerável. A questão é: controle. Como? Pardal?

Jaime Colorado Mar 3, 2015

Pardal, guarda municipal, ou outros modelos que hoje já asseguram os BRS e as seletivas.

Felipe Mendes Mar 3, 2015

Só me preocupo com a industria das multas. :(

Jaime Colorado Mar 3, 2015

A industria de multas é exatamente igual a qualquer industria do mundo: só lucra se houver demanda.

Enquanto tiver mal motoristas demandando a multa, as multas serão emitidas. Neste caso específico, quais as multas aplicaveis? O motorista de carro inavdiu a faixa ou estacionou sobre ela? mereceu ser multado não?

View all replies (2)

José Henrique Melman Mar 3, 2015

A moto ainda é um transporte individual. Aplicam-se a elas todos as observações sobre o estímulo ao transporte individual como parte de uma solução de mobilidade. Antes de faixas para motocicletas, que têm direito a usar a faixa e podem usar o espaço entre elas, antes disso, faixas exclusivas, sinalizadas e fiscalizadas deveriam ser para bicicletas, em conjunto com outras ações como redução de velocidade das vias, sinalização preferencial, etc.

Jaime Colorado Mar 3, 2015

Não tenho a ilusão de banir o transporte individual em curto prazo, e este desafio contempla ideias para o transporte individual. 

Melhor ter ideias para organiza-lo, enquanto convivemos com eles.

Observe que a ideia é em vias expressas e Avenidas, onde a bicicleta corre grande risco de circulação. O segundo ponto é que a segurança para motos estimularia o uso deste veiculo, absurdamente menos agressivo ao meio ambiente que o carro.

Quanto a usar o espaço entre elas, é controverso legalmente e ainda representa risco de acidentes nas trocas de faixa de carros para ambos motoristas, o que significa mais acidentes e menos mobilidade na cidade.

José Henrique Melman Mar 3, 2015

Alguém postou, acho que ainda na fase anterior, uma informação de que dependendo do tipo de moto e de carro, a moto seria até mesmo mais poluidora. Vou ver se consigo achar o link.

A questão de poluição sonora, pelo menos, sim.

Jaime Colorado Mar 3, 2015

Poluição sonora somente para alguns "doentes" que tiram o miolo do silencioso do escapamento.

Motos fazem parte do planejamento logistico da cidade. Seu bluray do show, comprado pela internet não chega na sua casa sem :)

Considerando que a frota carioca é de mais de 95% de 100 a 150CC, seria interessante ver estes dados de poluição. Agradeço qualquer item sobre a ideia.

View all replies (3)

José Henrique Melman Mar 3, 2015

Motos são os veículos de algo entre 8 a 10% das viagens em praticamente todas as subdivisões da Região Metropolitana como um todo. Sua participação em acidentes é considerável, a velocidade usualmente desenvolvida é perigosa para pedestres e ciclistas (e nisso as motos se assemelham a carros). É um meio de transporte que, na verdade, deveria ser desestimulado, juntamente com o carro.

Jaime Colorado Mar 3, 2015

O volume de acidentes é vinculado também a falta de regulamentação do seu deslocamento. Excesso de velocidade indcide em qualquer modelo de transporte, infelizmente. Até Onibus estão nestas estatisticas.

O objetivo principal é organizar o transito e reduzir acidentes, que se obtem com algumas ações como a motociclovia e controle efetivo de velocidade:

http://www.senado.gov.br/noticias/Jornal/emdi...-sao-paulo.aspx

 Não se esqueça, mais uma vez, que este corredor já existe entre as duas faixas da esquerda em qualquer via do Rio, só que irregularmente.

 

José Henrique Melman Mar 24, 2015

Finalmente achei: 2,5MM de motos x 9 MM de autos e elas emitem mais material particulado, metade do monóxido de carbono e pouco menos que a metade do metano em comparação aos automóveis.

Post original do pedroprio:

"Apenas uma pequena correção, motos estão longe de serem eficientes energeticamente. Quando você considera que a moto só é capaz de transportar um passageiro, os 30 km/l que ela é capaz de fazer já não parecem tão eficazes assim.

Aliás, os problemas dos nossos ciclomotores vão além disso: eles são extremamente poluentes, mesmo quando comparados com os carros. Como não possuem injeção eletrônica nem controle de emissões evaporativas, elas chegam a poluir até OITO vezes mais que os automóveis.

(Fonte: http://www.cetesb.sp.gov.br/ar/documentos/Rel..._Paulo_2011.pdf

Deveríamos cada vez mais desestimular o uso da moto como temos nas nossas cidades hoje em dia. Motos não foram feitas para pegar via expressa, tipo Linha Vermelha ou Av. Brasil. No mundo inteiro as motos urbanas tem suas cilindradas e velocidades limitadas, de modo que se equiparar às bicicletas elétricas, sendo utilizadas apenas em deslocamentos locais e como alimentação aos modos de grande capacidade (em alguns países da Europa elas até possuem permissão para circular em ciclovias).

Claro que as motos grandes, de viagem, poderiam continuar existindo, mas não como um meio de transporte da rotina do cidadão. Precisamos urgentemente acabar com essa infestação de motos inapropriadas, que são vendidas como a salvação da população sofrida, que passa a pilotar ziguezagueando nos corredores entre os carros diariamente, correndo sérios riscos de acidentes, como se os minutos ganhos significassem melhoria de qualidade de vida."

Usuários marcados:

View all replies (2)

Pedro Geaquinto Mar 20, 2015

Só tem um problema: isso pode causar mais acidentes. A experiência em São Paulo não foi legal.

Dá uma olhadinha:

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-...m-sao-paulo.htm

http://hojesaopaulo.com.br/noticia/cet-conclu...tes-em-152/4402

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2011/11...motofaixas.html

Jaime Colorado Mar 21, 2015

Criar e não fiscalizar é para aumentar acidentes em qualquer tipo de via.

Secretaria Municipal de Transportes Secretaria Municipal de Transportes Mar 30, 2015

Muito obrigado pela sua participação, Jaime.

A implantação de faixas exclusivas para a circulação de motocicletas já foi experimentada em algumas cidades brasileiras, sempre sem êxito. As principais razões do insucesso em São Paulo, onde a faixa foi implantada do lado esquerdo da pista, foram a indisciplina dos motociclistas em se manterem trafegando na faixa a eles destinada e os conflitos com os movimentos dos demais veículos para conversão à esquerda. Tais situações resultaram em inúmeros acidentes. Some-se a isto, os problemas decorrentes do excesso de velocidade empreendido pelas motocicletas nas faixas exclusivas.
Por fim, é importante lembrar que os planos de mobilidade urbana em desenvolvimento nas principais capitais do mundo propõem a redução do espaço destinado à circulação de automóveis a fim de priorizar a circulação , não de motocicletas mas, sim, do transporte coletivo (BRT, BRS) e do transporte não motorizado (bicicletas).

Jaime Colorado Apr 1, 2015

Entao o corredor e fiscalização efetiva nao funcionam e o que funciona é total desordem, descumprimento de lei basicas de trânsito por motociclistas e vista grossa das esferas de gestão pública? 

Marcelo Leal Apr 1, 2015

Corredor para motociclistas me parece ser uma boa ideia, mas não funcionará se por ventura um GM ou um policial continuar sendo espectador de irregularidades tanto por motociclistas, motoristas e coletivos.

É um absurdo como o motoqueiro usa a buzina muitos deles de forma insistente e intimidativa como se para ele a prioridade é obrigatória.

Precisamos de punições efetivas e não omissões.

Share