BRT e Avenida Expressa TransLight

por
Quero Metrô
Quero Metrô | Apr 2, 2015 | em Mobilidade Urbana

Engarrafamento. É o que se espera de qualquer deslocamento que tenha que cruzar, mesmo por um pequeno trecho, a Av. Brasil. E com eles, nascem os problemas, como isolamento de regiões. Hoje, é extremamente complicado chegar e sair de Madureira, Pavuna, Irajá e Méier para a Zona Oeste, Baixada ou mesmo outros pontos na própria Zona Norte. Uma simples rota Pavuna x Méier pode demorar duas horas ou mais. São conexões de centros de demanda importantes, mas que são obrigadas a passar por corredores radiais (se misturando ao fluxo para o Centro e Zona Sul) simplesmente para se conectar. A cidade precisa conversar com ela mesma!

Ao longo do Parque Madureira há uma linha de transmissão, que fora um pouco compactada (as torres se tornaram mais próximas). Mas é possível compactar mais, tornando-as mais esbeltas e verticalizadas. A linha em questão corta a cidade vindo da Baixada em direção à Tijuca, passando por Pavuna, Guadalupe, Rocha Miranda, Madureira, Cascadura, Quintino e Linha Amarela. E por que não conectar tudo isso? Hoje, todo deslocamento da Baixada para a Barra ou o grande Méier enfrenta a Av. Brasil ou a Linha Vermelha, quando não se tem a sorte de estar próximo a linha Japeri da SuperVia. Fora o fluxo de cargas, a logística da cidade, que possui grandes dificuldades, tendo que disputar espaço com movimento pendular de passageiros e entrada/saída do Porto do Rio para abastecer 3 dos principais centros de consumo fora do eixo Centro—Zona Sul: Madureira, Méier e Barra da Tijuca.

Avenida Expressa:
Conectar diretamente a via Light, na altura de Anchieta, a Av. Brasil, Madureira e Linha Amarela, retirando carros e caminhões da Av. Brasil. Também conectaria a Linha Vermelha aos bairros em questão, a parte do Jardim América, cruzando a Dutra e Colégio. Via desenvolverá duas centralidades da Zona Norte, facilitando seu acesso e desafogando parte da Av. Brasil. Com três túneis, sob os morros do Sapê (Colégio - Madureira), Morro da Bica (Cascadura - Quintino) e Inácio Dias (Quintino - Água Santa). Uma via rápida, com poucos pontos de travessia e cruzamentos para pedestres, mas humanizada, ao longo de um parque linear (expansão do Parque Madureira em ambas as direções).

BRT
Dois ramais em Y, conectando os acessos da Baixada no extremo Norte da cidade a Madureira e Méier. Corredor com vias exclusivas até o cruzamento com a Linha Amarela, onde haveria um terminal e seguiriam articulados em sistema de BHLS até o Méier. Com as estações principais:

Light / Chapadão (integração Baixada)
Jardim Guadalupe / Barros Filho (integração SuperVia e Av. Brasil)
Rocha Miranda (integração SuperVia)
Turiassu (ramal Jardim América)
Madureira (integração SuperVia e BRT TransCarioca)
Jardim América (integração Baixada e Linha Vermelha)
CEASA (integração Av. Brasil)
Colégio (integração Metrô-Rio)
Turiassu (ramal Chapadão)
Madureira (integração SuperVia e BRT TransCarioca)
FAETEC Quintino
Água Santa (integração Linha Amarela)
Méier (integração SuperVia)

Facilitando as conexões da cidade com ela mesmo, dinamizando os fluxos, induzindo desenvolvimento. Uma cidade feita para as pessoas.

O "Quero Metrô" é um projeto participativo e essa proposta foi organizada por Rodrigo Sampaio. Texto revisado por Jana Rocha e Pedro Geaquinto.

editado em abr 4, 2015 por Quero Metrô

José Henrique Melman Apr 2, 2015

Essa proposta não está de certa forma colidindo com a VLT Madureira – a consolidação de uma centralidade pelos trilhos de bonde ( https://desafioagorario.crowdicity.com/post/102552 )? Porque há trechos coincidentes, não seria o caso de conciliar as duas ideias usando essa para estender a outra?

José Henrique Melman Apr 2, 2015

Uma vantagem de estender a outra seria o menor impacto da passagem de VLT do que uma pista com BRT e autos.

Rodrigo Sampaio Apr 2, 2015

E a principal função da via seria logística, como cito no texto. Retirar do tráfego interno de Madureira e da Av. Brasil o fluxo de caminhões ligando as centrais logísticas e industrias da Baixada, Pavuna e Irajá (no caso, o CEASA) a Madureira e Méier. Permitindo o fluxo de mercadorias, maior dinamização comercial e potencial de hubs logísticos locais. O BRT é só um plus para humanizar o corredor e deixar o VLT mais parador (ampliando a capilaridade e diminuindo ao máximo o efeito do paradigma da última milha). 

Rodrigo Sampaio Apr 2, 2015

Essa é a ideia, as duas propostas dialogam. É um uso misto de BRT com VLT (bondes). Os articulados fariam as conexões de fora da região e o VLT ficaria responsável pela circulação interna de Madureira. Algo parecido com a ideia de VLT na Zona Sul (se articulando com o Anel de BRT e a Linha 1 e 4 do Metrô-Rio). 

José Henrique Melman Apr 2, 2015

Então seria a via com uma das faixas com VLT até Honório e Colégio e depois o BRT, acima de Madureira e BRT de Madureira ao Méier?

Rodrigo Sampaio Apr 3, 2015

Não, BRT junto com VLT (compartilhado). Como os trens no tronco Deodoro da SuperVia, com o VLT fazendo o papel do parador Deodoro e o BRT o papel dos expressos Santa Cruz e Japeri. 

Visualizar todas as respostas (5)
Share