Desafio Ágora Rio

Categorias

Informações gerais:

Autor:  CChantre

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 41
  • Avaliações negativas: 0

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 13
  • Avaliação de 2 estrela: 1
  • Avaliação de 3 estrela: 2
  • Avaliação de 4 estrela: 3
  • Avaliação de 5 estrela: 11
  • Média: 2,93

 

Descrição:

Criar uma escola pública do ensino de idiomas voltada para os alunos da Rede Municipal, preferencialmente utilizando como sede o antigo prédio do Automóvel Club do Brasil, na Lapa.

Comentários destacados:

De acordo com o autor da proposta, o aprendizado de uma segunda língua possibilitará às crianças e jovens uma melhor formação acadêmica, contribuindo, inclusive, para o acesso ao primeiro emprego. Complementará a rede de ensino funcionando como uma atividade ligada à Escola em Tempo Integral, afastará crianças e jovens da ociosidade, das ruas, do assédio de traficantes, etc. Colocará o Rio num elevado padrão educacional, ou até mesmo como modelo. Dará ao aluno a possibilidade de ter contato com outras culturas e de se comunicar com indivíduos que não falam a sua língua. Tudo isso, sem a necessidade de viajar. A Criação da Escola irá gerar empregos diretos e indiretos, valorizará o patrimônio público, já que o prédio tombado está em desuso, e promoverá maior integração dos habitantes do Rio, em especial dos jovens com os turistas estrangeiros. 

Resposta das secretarias:

SME: De acordo com a Secretaria, a Prefeitura do Rio criou, em 2010, o Projeto Rio Criança Global. O objetivo é intensificar e estender o ensino de inglês nas escolas da Prefeitura. Os alunos do 1º ao 3º ano têm uma aula semanal do idioma, enquanto os estudantes do 4º ao 9º ano têm dois tempos semanais de inglês, com ênfase na conversação. Até o momento, o programa já beneficia mais de 500 mil alunos. Para reforçar essa estratégia, a Secretaria Municipal de Educação implantou, em quatro escolas, o ensino bilíngue em Língua Inglesa, com objetivo de introduzir metodologia e práticas de ensino em duas línguas desde a Educação Infantil até o 6º ano. Além do inglês, a rede municipal também oferece aulas de francês e espanhol em algumas unidades.

As unidades com ensino bilíngue estão localizadas no Complexo do Alemão (Escola Municipal Professor Afonso Várzea), Pavuna (CIEP Glauber Rocha), Jacarepaguá (Escola Municipal Dyla Sylvia de Sá) e Campo Grande (CIEP Francisco Cavalcanti Pontes de Miranda) e ao todo 2.230 alunos são atendidos. Em 2015 mais duas unidades passarão a oferecer o ensino bilíngue.

Informações gerais:

Autor: Igor Abreu

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 67
  • Avaliações negativas: 1

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 20
  • Avaliação de 2 estrela: 1
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 5
  • Avaliação de 5 estrela: 16
  • Média: 2,91

 

Descrição:

Plataforma online em que os usuários poderão avaliar o serviço prestado pelas empresas de ônibus do Rio de Janeiro através de notas, comentários, fotos e vídeos..

Comentários destacados:

O autor da proposta argumentou que a ideia de criar uma plataforma online onde os usuários poderão explicitar suas experiências cotidianas através da avaliação das linhas de ônibus que utilizam diariamente faz-se necessária diante do fato de que o ônibus é o meio de transporte público mais utilizado na cidade do Rio de Janeiro. A proposta pode dar aos órgãos responsáveis a possibilidade visualizar e consultar, conjuntamente com a população, o nível da qualidade do serviço prestado pelas empresas de ônibus. A avaliação de cada linha de ônibus funcionaria em cinco categorias: Conservação / limpeza; Frequência; Lotação; Condução; Preparo dos funcionários.

Somado à avaliação das categorias, a plataforma possibilitaria também o envio de vídeos e imagens que expressem problemáticas presentes no cotidiano dos usuários.

A avaliação poderia ocorrer em ciclos trimestrais ou semestrais, para também viabilizar uma análise em longo prazo.

Cria-se, então, a possibilidade para que a população tenha uma base para exigir melhorias e o governo uma base para identificar os problemas.

Na discussão, a Secretaria Municipal de Transportes afirmou que já existe a possibilidade de avaliar os serviços de ônibus através do telefone 1746, que também está disponível em aplicativo para smartphone. Essas reclamações são consolidadas num ranking de linhas/Consórcios mais reclamados, que está disponível no site Transparência da Mobilidade (http://www.rio.rj.gov.br/web/transparenciadamobilidade/). Esse ranking orienta as ações de fiscalização por parte da Secretaria Municipal de Transportes.

Nos comentários, o autor afirmou que esse tem funcionado apenas como uma extensão do SAC. Para ele, a ideia é que seja público o resultado da avaliação dos usuários, de forma que a população possa ter uma base para exigir melhorias pressionando a fiscalização municipal.

Links / Referências:

Aplicativo "No Ponto Certo": http://www.rioonibusinforma.com/no-ponto-certo-lanca-aplicativo-gratuito-que-permite-avaliar-motoristas/  

Informações gerais:

Autor: ITDP Brasil

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 45
  • Avaliações negativas: 0

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 16
  • Avaliação de 2 estrela: 1
  • Avaliação de 3 estrela: 0
  • Avaliação de 4 estrela: 2
  • Avaliação de 5 estrela: 14
  • Média: 2,91

 

Descrição:

Transformar a esquina das ruas General Canabarro e São Francisco Xavier (em frente ao Colégio Militar), no bairro da Tijuca, em um plaza para pedestres.

Comentários destacados: 

De acordo com o autor da proposta, o ITDP Brasil sugere replicar a experiência do programa de Plazas de New York no programa Plazas Cariocas. Assim, será possível transformar ruas e áreas subutilizadas em espaços de convivência, retomando as ruas dos carros e devolvendo-as para os cariocas. 

A primeira intervenção seria no bairro da Tijuca, com uma interseção redesenhada para priorizar o pedestre, aumentar sua segurança e criar um novo espaço de convivência. A esquina da rua General Canabarro com a rua São Francisco Xavier é um cruzamento na frente do Colégio Militar, com bastante movimento de pedestres e um comércio de rua ativo. O cruzamento pode ser estreitado, tirando o estacionamento do lado esquerdo e incorporando espaco para as ônibus e vans escolares pararem, facilitando o embarque e desembarque de alunos. Depois de um período de avaliação do plaza criado de forma temporário, a Prefeitura pode decidir por sua implementação permanente. 

Rio. Maracanã. Parque

Postado por Ágora Rio (Admin) Nov 17, 2014

Informações gerais:

Autor:  igs.muchelin

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 51
  • Avaliações negativas: 0

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 18
  • Avaliação de 2 estrela: 0
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 1
  • Avaliação de 5 estrela: 16
  • Média: 2,92

 

Descrição: 

Implantar Parque Paisagístico, abrangendo a revitalização do Rio Maracanã e sua faixa de proteção, junto à estátua do Belini, do Maracanã.

Comentários destacados:

De acordo com o autor da proposta, a iniciativa visa melhorar as condições climáticas, mitigar as inundações e  qualificar a área do Rio Maracanã através de tratamento e  revitalização do rio, elemento de identidade, relevância  e de valor ambiental e estético  da região, em frente à  Estatua do Belini.

A  remodelação e ampliação da faixa de proteção do Rio se apresenta como parte essencial para um Parque Paisagístico Natural,  requisito que, ao ser oferecer cenários verdes e atrativos turístico, valoriza o espelho d´água e a vegetação e acrescenta novos cartões postais e espaços deslumbrantes para fotos, até a Quinta da Boa Vista.

O planejamento das ações do Parque prevê alargamento da calha do rio com deslocamento do trânsito, contudo, sua localização privilegia a melhoria da qualidade do ar, da água, reduz as enchentes, e ainda enobrece o complexo esportivo  do Maracanã, oferecendo bem estar, educação, saúde e atração para visitantes: um legado ambiental especial a população do Rio de Janeiro e as olimpíadas Rio/2016.   

Operações Urbanas na zona norte

Postado por Ágora Rio (Admin) Nov 17, 2014

Informações gerais:

Autor:  IsraelLourenço

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 42
  • Avaliações negativas: 1

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 14
  • Avaliação de 2 estrela: 0
  • Avaliação de 3 estrela: 2
  • Avaliação de 4 estrela: 2
  • Avaliação de 5 estrela: 12
  • Média: 2,93

 

Descrição:

Operações urbanas semelhantes à do Porto Maravilha em bairros da zona norte, principalmente ao longo das linhas férreas.

Comentários destacados:

De acordo com o autor da proposta, estas operações urbanas poderiam ser feitas como uma PPP (Parceria Público Privada), semelhante ao que está sendo realizado na região portuária. Os bairros que são cortados pelas linhas férreas, como Madureira, Engenho de Dentro, Cascadura, Bonsucesso, Olaria, entre outros, teriam prioridade nos recursos públicos e privados.  Construção de ciclovias, aterramento da fiação aérea, revitalização das vias, saneamento e isenção fiscal para a instalação de moradias populares e empresas de serviços seriam fundamentais para que problemas relacionados à mobilidade urbana e melhor utilização do solo fossem resolvidos.

Para o autor, de fato o projeto do Bairro Maravilha vem sendo implantado nestes bairros. Mas ainda está longe do ideal, pois quando se fala em operação urbana, se fala também em organizar a ocupação do solo com subsídios para instalação de empresas e moradias populares perto de transportes de massa como trens, metrô e BRTs.

Resposta da Secretaria:

SMO: Atualmente, a Secretaria Municipal de Obras tem se dedicado ao projeto Bairro Maravilha Norte. Ele contempla alguns dos bairros que você citou. Em Madureira, o Bairro Maravilha está requalificando 27 vias, com novas calçadas e asfaltamento. O mesmo já aconteceu em Oswaldo Cruz e Cascadura, onde o projeto já renovou 76 vias, totalizando 456,4 mil metros quadrados de calçada e 259,3 mil m² de asfalto.

O Bairro Maravilha Norte também chegará ao Engenho de Dentro, Marechal Hermes, Acari, Colégio e Honório Gurgel. A ideia é dar cara  nova  aos  bairros e comunidades, implantando  redes  de  infraestrutura e garantindo mais qualidade de vida aos cariocas. 

Informações gerais:

Autor:  William Junior

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 109
  • Avaliações negativas: 2

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 17
  • Avaliação de 2 estrela: 1
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 1
  • Avaliação de 5 estrela: 16
  • Média: 2,94

 

Descrição:

Ensinar a estrutura política brasileira nas escolas municipais - as competências e atribuições dos poderes, o papel, as funções e as responsabilidades dos e das vereadores e veradoras, deputados e deputadas, senadores e senadoras, prefeitos e prefeitas, governadores e governadoras, presidente ou presidenta, ministros e ministras, secretarias e ministérios e outros cargos e entidades públicas de todos os poderes. A ideia permite o desenvolvimento do senso crítico dos alunos.

Comentários destacados:

Na discussão, apareceu o medo do ensino ser usado como instrumento de doutrinação e manipulação, mas a proposta busca o ensino da estrutura política.

A SME pontuou que cidadania e valores democráticos são ensinados e discutidos nas matérias de ciências humanas, principalmente História e que, além disso, as escolas têm grêmios estudantis eleitos democraticamento pelo alunos, assim como a diretoria de todas as escolas é eleita por votação dos e das repsectivos funcionários e funcionárias, pais e mães e alunos e alunas. 

Informações gerais:

Autor:  ITDP Brasil

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 51
  • Avaliações negativas: 0

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 17
  • Avaliação de 2 estrela: 0
  • Avaliação de 3 estrela: 2
  • Avaliação de 4 estrela: 6
  • Avaliação de 5 estrela: 13
  • Média: 2,95

 

Descrição:

Criação de um sistema de sinalização orientado aos pedestres (wayfinding). Embora tenham surgido várias inovações nos últimos anos, os melhores projetos de sinalização usam os mapas como elemento chave. Cidades como Londres e NY implementaram iniciativas bem sucedidas e se tornaram referência em projetos de sinalização para pedestres.

Resposta das secretarias:

Riotur: Olá pessoal do ITDP
por sorte a sugestão dada por vocês já é um projeto concreto, que estará pronto antes das Olimpíadas. A sinalização turística para pedestres (ou "wayfinding") da cidade do Rio foi apresentada no início de outubro e deverá ser implantada como projeto piloto em Copacabana e Leme agora no verão. A inspiração veio justamente de projetos bem-sucedidos como os de Londres e NY, que vocês mencionam na ideia apresentada aqui. Após possíveis reajustes oriundos dessa fase de testes, ela será espalhada por outras regiões da cidade e estará concluída até meados do segundo semestre de 2015. 

Links / Referências:

http://www.rio.rj.gov.br/web/guest/exibeconteudo?id=5006881

Informações gerais:

Autor:  DIEL

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 44
  • Avaliações negativas: 2

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 13
  • Avaliação de 2 estrela: 0
  • Avaliação de 3 estrela: 2
  • Avaliação de 4 estrela: 5
  • Avaliação de 5 estrela: 10
  • Média: 2,97

 

Descrição:

Disponibilizar os horários, frequência, tarifas das linhas de ônibus nos pontos, terminais e sites da Rio Ônibus e  da Fetranspor.

Comentários destacados: 

De acordo com o autor da proposta, é necessária a instalação de placas em todos os pontos, terminais e nos sites Rioonibus e Fetranspor com as informações dos horários, das frequências, tarifas, locais de aquisição e recarga do bilhete único, e como o sistema opera na cidade. Não se vê isso nem nos terminais mais novos, como o Alvorada. Nem moradores e nem turistas conseguem se programar para pegar um ônibus no Rio. Pode parecer trabalhoso, mas pela tarifa cobrada a Fetranspor deveria ser obrigada a fazer isso.

Informações gerais:

Autor:  William Junior

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 116
  • Avaliações negativas: 21

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 16
  • Avaliação de 2 estrela: 2
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 2
  • Avaliação de 5 estrela: 16
  • Média: 3,00

 

Descrição:

Construção de estações hidroviárias (ex.: Barra da Tijuca) que permitam o transporte de passageiros através de barcas até o Centro do Rio.

Comentários destacados:

De acordo com o autor da proposta, o transporte hidroviário fornece uma opção para redução no grande fluxo de veículos concentrado ao menos em um ponto da cidade. O investimento em um sistema de barcas que conduzisse passageiros do Recreio à Praça XV, com paradas em pequenas estações na Zona Sul, integrado ao tranporte rodoviário e cicloviário, seria viável e, assim como o BRT, atenderia aos usuários que fazem grandes deslocamentos de suas residências ao local de trabalho. 

O mesmo poderia ser feito em locais como a Ilha do Fundão, Galeão e Ilha do Governador, com investimentos que são inferiores aos necessários para implantação de novos corredores rodoviários, que também são importantes para a cidade. 

Cito ainda a Zona Oeste, em regiões como Santa Cruz e Guaratiba, onde pessoas se deslocam por até 4 horas para chegar ao Centro do Rio, mesmo com o BRT Transoeste. Para eles se faz necessário o aumento de opções de integração e aumento na frota de veículos existentes para o transporte público.

 

Resposta das Secretarias:

SMTR: De acordo com estudos realizados, a tarifa a ser implementada e o tempo de deslocamento para uma ligação hidroviária entre o Recreio e o Centro seriam altos, não trazendo benefícios para a maioria dos usuários. Em 2016, a Linha 4 do metrô e a continuação do BRT Transoeste estarão prontos a tempo de atender à demanda dos Jogos Olímpicos e também aos usuários de transporte coletivo. No Jardim Oceânico, por exemplo, está prevista a integração direta entre os dois modais (ônibus e metrô), o que reduzirá significativamente o tempo de deslocamento atual de quem passa pela região. Agradecemos sua proposta.

Sobre a resposta das Secretaria, o autor da proposta comentou solicitou maiores esclarecimentos e transparência sobre os estudos realizados, com os dados que comprovem a inviabilidade do projeto, contendo a data de sua realização e a empresa responsável. Ou mesmo, que seja feito um novo estudo, desta vez com participação popular e divulgação, para que possamos acompanhar o processo e discutir o mesmo como nas antigas Ágoras.

A empresa DTA Engenharia, uma das maiores e mais atuantes empresas de engenharia consultiva do Brasil na área portuária naquela época, realizou estudos em 2008, quando o Secretário de Transportes era o Sr. Julio Lopes. Para o Secretário a principal função das embarcações seria atender ao transporte de passageiros da região, diminuindo principalmente o número de veículos. Os resultados se mostraram favoráveis, e a declaração do Secretário foi:

“Essa ligação marítima facilitaria em muito o deslocamento do público e dos turistas para as áreas de competição hoje já instaladas na Barra da Tijuca como no Recreio”.

Segundo o estudo, o custo total para a implantação da hidrovia e o valor das passagens não fora até então definidos. O projeto da ligação marítima entre o Centro e o Recreio dependeria do APOIO DA PREFEITURA DA CIDADE. Já o valor das passagens seria estabelecido de acordo com o projeto a ser executado. Além disso, se falou que a navegação oceânica é segura e tornaria o Rio viável para a realização de grandes eventos como a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016.

Sobre o término da Linha 4 do metrô, e a extensão da Transoeste até ela, sem dúvida trará benefícios ainda maiores para quem trabalha no Centro ou Zona Sul. Será um enorme benefício, porém creio que ainda insuficiente.

Sobre a última abordagem, de fato a integração entre os modais (ônibus e metrô) são mais que necessárias. O que prova isso é o sucesso conquistado em diversas partes do mundo, onde há realmente uma integração completa que abrange os pontos de transferência física, o sistema tarifário e a unificação das informações por canais acessíveis e claros para os usuários. 

Solicito então maiores esclarecimentos e transparência sobre os estudos realizados, com os dados que comprovem a inviabilidade do projeto, informando a data de sua realização e a empresa responsável. Uma última solicitação, seria saber o nome e o cargo que ocupa a pessoa com quem falo. Falar como SMT torna-se ainda impessoal. Se possível, gostaria de saber com quem estamos falando, para que o relacionamento aqui seja mais pessoal do que algo meramente institucionalizado. Saber o nome e o cargo que ocupa dentro do SMT é uma importante informação para nós.

Links / Referências:

http://mail.camara.rj.gov.br/APL/Legislativos/scpro1316.nsf/249cb321f17965260325775900523a42/04a464ab80c898f503257b19006fb63b?OpenDocument

http://alfredosirkis.blogspot.com.br/2012/09/transporte-hidroviario-conexao-centro.html

https://www.youtube.com/watch?v=Cglm8HMuPjg

Estacionamentos de integração

Postado por Ágora Rio (Admin) Nov 17, 2014

Informações gerais:

Autor:  GiulianoSantanaNascimento

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 67
  • Avaliações negativas: 4

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 23
  • Avaliação de 2 estrela: 1
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 5
  • Avaliação de 5 estrela: 21
  • Média: 3,00

 

Descrição:

Criar estacionamentos seguros, públicos e de grande capacidade para veículos e bicicletas em pontos chave da cidade como as principais estações de metrô, barcas, aeroporto, BRT, centro da cidade e grandes centros comerciais para que possa haver integração e viabilizar melhor mobilidade. Poderia também ser disponibilizada uma estrutura de apoio com aluguel de ferramentas, venda de peças de reposição, chuveiros e guarda-volumes com preço justo.

Resposta das secretarias:

SECPAR: Investir em mobilidade eficiente e sustentável é uma prioridade no Rio de Janeiro. Nisso, a bicicleta tem papel fundamental. Diversas iniciativas estão acontecendo na cidade com o objetivo de popularizar esse tipo de transporte.

Os novos empreendimentos no Porto Maravilha precisam atender a uma série de exigências que tem o ciclista como foco. Os projetos devem ter bicicletários e vestiários com chuveiro, uma forma de incentivar o uso não apenas como lazer, mas como meio de transporte. Até 2014, serão 17 quilômetros de ciclovias atendendo a região.

Para os Jogos de 2016, estão sendo planejados projetos de ciclovias alimentadoras aos transportes de alta capacidade e no entorno das instalações olímpicas, incluindo as Zonas Norte e Oeste da cidade.

Na região da Barra da Tijuca, como parte das obras olímpicas, será construída uma nova ciclovia, com 7 km de extensão, que passará pelas estações de BRT e por instalações como o Parque Olímpico, a Vila dos Atletas, o Parque dos Atletas e o Riocentro. Após os Jogos, novos pontos de Bike Rio serão instalados nas áreas externa e interna do Parque Olímpico. O projeto, que atualmente conta com 1.160 bicicletas distribuídas pela cidade, será ampliado para 2.600 bikes e 260 estações até 2015.

Atualmente, a cidade conta a maior malha cicloviária do Brasil, com 370 quilômetros. Até o fim de 2016, esse número deve chegar a 450.

Mobilidade urbana via Baía de Guanabara

Postado por Ágora Rio (Admin) Nov 17, 2014

Informações gerais:

Autor:  PAULO SPERONI

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 108
  • Avaliações negativas: 1

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 24
  • Avaliação de 2 estrela: 0
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 2
  • Avaliação de 5 estrela: 24
  • Média: 3,04

 

Descrição:

Aproveitar mais o potencial hidroviário da Baía de Guanabara, oferecendo mais conexões com a Região Metropolitana e mais estações na cidade (como Fundão e Galeão).

Comentários destacados: 

De acordo com o autor da proposta, a Baía de Guanabara não só fornece um belo cartão postal, mas também é a solução para desafogar o transporte interurbano no Grande Rio, centralizado na Ponte Rio-Niterói. O sistema de barcas já foi muito vigoroso décadas atrás e deve voltar a receber os investimentos e a importância que lhe cabem, já que se trata de uma solução viável e barata para desafogar o movimento pendular diário daqueles que saem das cidades dormitórios para trabalhar no centro do Rio. Deveríamos reformar os atuais atracadouros e dar novas barcas aos cariocas. Mas, para além, é importante pensar novas linhas e estações que contemplem pontos esquecidos na Baía.

Por que não temos uma linha entre São Gonçalo e o Centro do Rio? Ou então ligando os centros de Sâo Gonçalo e Niterói? O Fundão merecia uma estação, assim como o Aeroporto do Galeão. As opções são inúmeras e o investimento é bem menor do que as faraônicas escavações da Linha 4. 

Links / Referências:

http://odia.ig.com.br/noticia/rio-de-janeiro/2014-04-15/improviso-para-dar-mobilidade-aos-turistas-durante-a-copa.html

Informações gerais:

Autor: marcel peres

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 60
  • Avaliações negativas: 6

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 10
  • Avaliação de 2 estrela: 0
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 1
  • Avaliação de 5 estrela: 10
  • Média: 3,05

 

Descrição:

Colocar cancelas, como a dos estacionamentos, nos principais cruzamentos, evitando batidas com os ônibus dos BRTs.

Comentários destacados:

De acordo com o autor da proposta, poderiam ser colocadas cancelas, como as dos estacionamentos, sincronizados com os sinais nos principais cruzamentos dos BRTs. Isso evitaria passagens e avanços arriscados, principalmente quando o sinal está amarelo. Casos de batidas e acidentes fatais diminuiriam. 

Informações gerais:

Autor: ITDP Brasil

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 62
  • Avaliações negativas: 2

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 20
  • Avaliação de 2 estrela: 1
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 1
  • Avaliação de 5 estrela: 21
  • Média: 3,05

 

Descrição:

Alteração via projeto de lei do status das calçadas (de privado para público), " já que as calçadas tem uso tão público quanto as vias para carros". A forma de custeio dessa medida pode ser pensada em torno dos próprios impostos que são pagos referentes a transações imobiliárias (ITBI) e a propriedade urbana (IPTU). A legislação pode se basear em exemplos internacionais, como Paris e Buenos Aires, onde em locais de alta movimentação a manutenção da calçada é estritamente pública e em locais menos densos a sua gestão é compartilhada.

Resposta das secretarias:

SECONSERVA: Esta alteração na legislação só seria possível através de um projeto de lei a ser discutido pela Câmara dos Vereadores.
Atualmente, a responsabilidade da conservação das calçadas da cidade é compartilhada. Em trechos de calçadas em frente às propriedades particulares (residenciais ou comerciais), a responsabilidade da conservação é do proprietário. Já na calçada das praias, canais e praças, a responsabilidade é da Prefeitura.   A Prefeitura faz operações semanais em calçadas em todas as regiões da cidade com serviços ativos e preventivos em todas as áreas públicas para identificar as irregularidades. A fiscalização é feita pela Seconserva, por meio de suas 25 gerências espalhadas por todas as regiões da cidade, e em parceria com a Subprefeitura local.   A Seconserva também tem o programa Zeladores do Rio, que é executado por uma equipe que realiza vistoria nos bairros para identificar irregularidades nos logradouros. Entre as principais ocorrências estão calçadas quebradas, buracos no passeio em pedras portuguesas, ajardinados danificados, fradinhos e grampo irregulares, além de tampões com defeito. Os proprietários recebem notificações da Prefeitura para a execução do reparo no prazo máximo de 30 dias.    Desde novembro de 2011 até o mês de outubro de 2014, o programa Zeladores realizou vistorias em 30 bairros da cidade. Ao todo 12.447 não conformidades foram identificadas e, deste total, 70% dos casos foram resolvidos. As principais ocorrências são balizadores (fradinhos) irregulares, calçadas avariadas, jardineiras e golas de árvore danificadas e pedras portuguesas soltas.  

A Seconserva conta também com grupo um de calceteiros responsáveis pela recuperação e fixação de pedras portuguesas em áreas públicas.

Informações gerais:

Autor: Clarissa Mello

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 105
  • Avaliações negativas: 12

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 18
  • Avaliação de 2 estrela: 1
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 5
  • Avaliação de 5 estrela: 17
  • Média: 3,05

 

Descrição:

Criação de ciclovia e ciclofaixa ligando estações BikeRio na Tijuca, Centro e Zona Sul.

Comentários destacados: 

De acordo com o autor da proposta, o BikeRio é um projeto muito bacana e muito utilizado pelos cariocas - não é à toa que está sendo expandido para Tijuca. Entretanto, é preciso criar vias exclusivas para ciclistas, que garantam a segurança de um deslocamento pela cidade, principalmente no Centro - como Av. Presidente Vargas. O ideal é interligar as estações, para que o ciclista possa chegar nas principais regiões da cidade em segurança.

 

A ciclovia é um espaço segregado para bicicletas. Isso significa que há uma separação física isolando os ciclistas dos demais veículos. Essa separação pode ser através de mureta, meio fio, grade, blocos de concreto ou outro tipo de isolamento fixo. A ciclovia é indicada para avenidas e vias expressas, pois protege o ciclista do tráfego rápido e intenso. 

A ciclofaixa é quando há apenas uma faixa pintada no chão, sem separação física de qualquer tipo (inclusive cones ou cavaletes). Indicada para vias onde o trânsito motorizado é menos veloz.

Resposta da Secretaria:

SMAC: Estamos elaborando um projeto para ampliar a malha cicloviária na Tijuca. Ele será implementado já a partir de 2015. A ideia é que as novas rotas cicloviárias e bicicletários na Tijuca estejam interligadas, como alimentadoras, aos transportes de massa. Assim, esperamos facilitar o acesso dos tijucanos tanto ao centro, quanto aos demais bairros da cidade.

Informações gerais:

Autor: Kersten 

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 169
  • Avaliações negativas: 59

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 30
  • Avaliação de 2 estrela: 1
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 0
  • Avaliação de 5 estrela: 36
  • Média: 3,16

 

Descrição:

Utilização de fotos para auxílio da guarda municipal no cumprimento das leis de trânsito e aplicação de multas.

Comentários destacados:

De acordo com o autor da proposta, seria interessante implementar a possibilidade de a Guarda Municipal receber fotos tiradas de celular, por exemplo, que flagrem infratores de trânsito nas calçadas, avançado sinais, fazendo a conhecida "bandalha", parando em cima das fachas de pedestre nos sinais, fechando os cruzamentos, etc.

Todo tipo de infração de trânsito poderá ser fotografada por alguém (com data e placa do infrator) por um simples celular, e enviada para e-mails específicos, criados especialmente para esta finalidade, ou até mesmo para um perfil no Facebook, que seria diariamente avaliado. Essa medida irá contribuir para inibir os abusos, uma vez que todos saberiam da possibilidae de serem flagrados por qualquer pedestre comum, e que haverá uma foto da infração como prova, e sua consequente autuação. É uma medida de custo baixo, que pode render muitos recursos financeiros para o Município, que poderá aplicá-los em diversas finalidades.

Resposta da Secretaria:

Guarda Municipal: Na cidade do Rio, a Guarda Municipal é um dos órgãos responsáveis pela fiscalização do trânsito e os guardas municipais credenciados no Detran ou na Secretaria Municipal de Transportes só podem aplicar multas mediante flagrante de irregularidade feito pelo próprio agente, que deve preencher o auto de infração, jamais com base em relatos, fotos ou informações repassadas por terceiros. A medida é prevista no próprio Código de Trânsito Brasileiro, no artigo 280, e também é uma forma de assegurar a população contra, por exemplo, casos de denúncias falsas. O aplicativo para celular da Central de Atendimento 1746 da Prefeitura permite que o cidadão envie fotos de flagrantes de irregularidade de trânsito, porém, o agente só autua após ir ao local chegar se a irregularidade está efetivamente sendo cometida, conforme determina o Código de Trânsito Brasileiro. 

Estação Rodoviária em Curicica

Postado por Ágora Rio (Admin) Nov 17, 2014

Informações gerais:

Autor: marcel peres

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 84
  • Avaliações negativas: 4

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 10
  • Avaliação de 2 estrela: 0
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 1
  • Avaliação de 5 estrela: 12
  • Média: 3,21

 

Descrição:

Colocar uma estação rodoviária alimentadora em Curicica para fazer a interligação das duas Trans (Carioca com a Olímpica).

Comentários destacados:

De acordo com o autor da proposta, a estação faria a alimentação não só dos moradores de Curicica, mas de Vargem Pequena, Vargem Grande, Preguiça, Camorim e outros. É o lugar onde as duas Trans passam. A rodoviária faria uma interligação em que os passageiros poderiam desembarcar e trocar de BRTs.

Resposta da Secretaria:

SMTR: O BRT TransOlímpica terá três terminais: 1) Deodoro, 2) Av. Salvador Allende e 3) Centro Olímpico (no entroncamento das avenidas Abelardo Bueno com a Salvador Allende), onde fará integração com os trens da Supervia, BRT TranOeste e BRT TransCarioca respectivamente. Vale lembrar também que a TransOeste fará integração com a linha 4 do Metrô. Desse modo, buscamos interligar os mais diversos modais, contribuindo para a melhorar a mobilidade dos cariocas, especialmente nas zonas Norte e Oeste.

Aterramento dos Fios

Postado por Ágora Rio (Admin) Nov 17, 2014

Informações gerais:

Autor: Kamenuvol

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 202
  • Avaliações negativas: 7

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 23
  • Avaliação de 2 estrela: 1
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 3
  • Avaliação de 5 estrela: 28
  • Média: 3,21

 

Descrição:

Criar um plano de ação integrado entre poder público e empresas no sentido de “aterrar” os fios de serviços como eletricidade, telefonia, internet, tv à cabo.

Resposta das secretarias:

RioLuz: Desde setembro de 2011, a partir de um decreto municipal, a Rioluz executa todos os novos projetos de iluminação da cidade em rede subterrânea. Com isso, nosso objetivo é promover o ordenamento urbano e proteção do patrimônio histórico, cultural do Rio. O decreto mencionava que todas as concessionárias de energia, telefonia ou TV realizassem o mesmo procedimento, mas uma liminar da justiça derrubou o decreto do Prefeito, e as empresas concessionárias ainda não o cumpriram. A Rioluz manteve o determinado pelo Prefeito e, desde 2011, todos os novos projetos são executados em rede subterrânea, como Transoeste, Transcarioca, Avenida das Américas, entre outras áreas do Rio..

 

Links / Referências:

http://stf.jusbrasil.com.br/noticias/100670252/suspensa-decisao-que-obrigou-light-a-substituir-fiacao-aerea-por-subterranea

https://www.brasil247.com/pt/247/rio247/148914/Rio-tem-90-das-redes-subterr%C3%A2neas-mapeadas.htm

Informações gerais:

Autor: rcandre81

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 59
  • Avaliações negativas: 1

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 18
  • Avaliação de 2 estrela: 1
  • Avaliação de 3 estrela: 0
  • Avaliação de 4 estrela: 3
  • Avaliação de 5 estrela: 23
  • Média: 3,27

 

Descrição:

Construir o trecho 6 do Anel Viário do Rio, que conecta a Avenida Brasil (em Santa Cruz) com Avenida das Américas (em Guaratiba).

Resposta das secretarias:

SECPAR: O projeto do Anel Viário, sem dúvida, contribuiria muito para o fluxo de veículos na região. Por ora, não foi possível viabilizar uma Parceria Público-Privada para construir o anel, mas a prefeitura avançou muito nos estudos, reunindo material suficientemente robusto para colocar o investimento em licitação tão logo seja possível. Já há projetos básicos, estudo de fluxo e ambiental relacionados.

Projeto REC (Rede Energia Cidadã)

Postado por Ágora Rio (Admin) Nov 17, 2014

Informações gerais:

Autor: Marcelo Santoro

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 187
  • Avaliações negativas: 21

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 19
  • Avaliação de 2 estrela: 4
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 1
  • Avaliação de 5 estrela: 29
  • Média: 3,31

 

Descrição:

Integrar Esporte, Saúde e Educação através de projetos esportivos voltado a alunos da Rede Municipal e frequentadores do programa de prevenção de drogas das Clínicas da Família. Para se manterem no projeto, os alunos devem ter desempenho escolar satisfatório, frequência dos pais nas reuniões escolares, carteira de vacinas em dia e família com planejamento familiar acompanhado de Clínicas da Família. O proponente coloca a Associação Mão na Bola e a Escola de Vôlei do Bernardinho, que, pelo indicado, já fazem um trabalho em comunidades pacificadas, à disposição para testar a parceria Esporte-Saúde-Educação.

Comentários destacados:

Na discussão, levantou-se a ideia de que o projeto não deveria ser restrito aos alunos com bom desempenho escolar, pois isso acabaria segregando mais os alunos e desperdiçando o potencial do esporte para reintegração social e educacional.

 

Ciclovia em Jacarepaguá

Postado por Ágora Rio (Admin) Nov 17, 2014

Informações gerais:

Autor: DeboraGauziski

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 95
  • Avaliações negativas: 0

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 25
  • Avaliação de 2 estrela: 1
  • Avaliação de 3 estrela: 1
  • Avaliação de 4 estrela: 2
  • Avaliação de 5 estrela: 35
  • Média: 3,33

 

Descrição:

Criar uma malha cicloviária integrada no bairro de Jacarepaguá, reconhecendo o uso de bicicletas como meio de transporte e lazer no bairro, que tem apenas alguns trechos isolados de ciclovias. É preciso não só integrar os trechos dos sub-bairros de Gardênia Azul, Cidade de Deus, Taquara e Rio Centro, mas conectar o bairro de Jacarepaguá à Barra e ao Recreio por ciclovias, facilitando a locomoção e o transporte dos moradores das moradoras da região. 

Comentários destacados:

Na discussão, frisou-se a importância das ciclovias como alternativa ao trânsito e foram sugeridas ciclovias que ligassem a Freguesia à Taquara e o bairro de Jacarepaguá à praia da Barra.

Crédito Verde

Postado por Ágora Rio (Admin) Nov 17, 2014

Informações gerais:

Autor: Kersten

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 186
  • Avaliações negativas: 54

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 30
  • Avaliação de 2 estrela: 0
  • Avaliação de 3 estrela: 0
  • Avaliação de 4 estrela: 3
  • Avaliação de 5 estrela: 44
  • Média: 3,40

 

Descrição:

Descontos (ou isenção) em tributos e taxas municipais vinculados à critérios de sustentabilidade ambiental que sejam cumpridos pelos cidadãos e empresas.

Comentários destacados:

De acordo com o autor da proposta, seria importante que todos os munícipes que se utilizassem de meios ecologicamente corretos, na produção de bens e ou serviços, ou mesmo no consumo (transporte, fonte de enrgia alternativa, reaproveitamento de água etc.) receberiam como forma de incentivo descontos em tributos municipais como IPTU, e as diversas taxas municipais.

Informações gerais:

Autor: Suzana D.N.Machado

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 330
  • Avaliações negativas: 21

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 28
  • Avaliação de 2 estrela: 2
  • Avaliação de 3 estrela: 6
  • Avaliação de 4 estrela: 2
  • Avaliação de 5 estrela: 59
  • Média: 3,64

 

Descrição:

Universalizar na cidade o sistema de cestos ecológicos nos bueiros para evitar os alagamentos na cidade e também diminuir a poluição de rios, lagoas e, principalmente, da Baía de Guanabara. Estima-se que o sistema possa evitar o despejo incorreto de quase 4 toneladas de lixo por dia.

Resposta das secretarias:

SECONSERVA: Prezados, é com muito orgulho que recebemos todos esses comentários sobre um projeto nosso que foi testado de 2009 à 2012, obtendo alto índice de aprovação por todos os que conheceram. Atualmente temos 250 equipamentos instalados nas ruas mais aborizadas da Grande Tijuca e outros 3500 em ruas que recebem feiras livres em toda a cidade.

Informações gerais:

Autor: marcel peres

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 133
  • Avaliações negativas: 5

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 7
  • Avaliação de 2 estrela: 0
  • Avaliação de 3 estrela: 5
  • Avaliação de 4 estrela: 0
  • Avaliação de 5 estrela: 19
  • Média: 3,77

 

Descrição:

Instalação de postes de iluminação pública com placas de captação de energia solar, gerando economia e promovendo sustentabilidade. O ideal seria que a economia resultasse na extinção da taxa mensal (de iluminação pública).

Resposta das secretarias:

RioLuz: A Prefeitura do Rio atua desde 2011 com testes do sistema híbrido de iluminação, com dois tipos de alimentação: eólica e solar. Até o momento, o sistema está presente em duas áreas da cidade: no Mirante da Prainha e Parque dos Atletas, na Barra da Tijuca. Ao todo são quatro postes que funcionam com placas de captação de energia solar e eólica. A geração de energia elétrica através destas fontes é de extrema importância, pois se trata de uma fonte renovável e limpa. O projeto ainda está em fase de análise e certamente será um grande passo na direção do desenvolvimento sustentável. 

Informações gerais:

Autor: AndréaAlbuquerqueG.Redondo

Fase de discussão:

  • Avaliações positivas: 331
  • Avaliações negativas: 92

 

Fase de avaliação:

  • Avaliação de 1 estrela: 37
  • Avaliação de 2 estrela: 1
  • Avaliação de 3 estrela: 2
  • Avaliação de 4 estrela: 3
  • Avaliação de 5 estrela: 77
  • Média: 3,68

 

Descrição:

Manter a continuidade da reserva ambiental ao longo de toda a margem norte da Lagoa de Marapendi, área protegida há mais de meio século, cuja parte destinada ao Parque vem sendo implantada há décadas durante sucessivas administrações públicas, mediante a doação de áreas à cidade gradativamente, na medida em que condomínios de edifícios, residências e prédios comerciais são construídos conforme códigos de obras baseados no Plano Piloto para a Baixada de Jacarepaguá, de autoria do arquiteto Lucio Costa.

A proposta também implica em garantir a possibilidade de completar a Avenida Prefeito Dulcídio Cardoso (antiga Via 2), idealizada por Lucio Costa para separar as terras destinadas à ocupação urbana e protege a área de reserva, além de consistir em alternativa ao trânsito da Avenida das Américas através de uma “via calma” que margeia a restinga e proporciona lazer contemplativo, passeios a pé, de bicicleta ou veículos.

Do ponto de vista urbanístico, ambiental e cultural, perder a continuidade da reserva e do parque de Marapendi é inaceitável. Quaisquer outros interesses envolvidos devem partir dessa premissa e a ela serem adaptados, inclusive a intenção de construir um campo de golfe para os jogos olímpicos de 2016, que deve, no mínimo, respeitar os limites impostos pela via parque e pela existência da restinga protegida.

Resposta das secretarias:

SMAC: A construção do Campo de Golfe significa, na verdade, o fim de um dano ambiental que se perpetuava há mais de 20 anos, em uma área abandonada e degradada onde funcionou uma cimenteira. Há uma enorme contrapartida ambiental e um legado para a Cidade do Rio de Janeiro – além da criação de um campo público, haverá a recuperação integral da área com o aumento da vegetação nativa, passando dos atuais 94 mil metros quadrados para mais de 550 mil metros quadrados, além da criação de um viveiro de plantas nativas com mais de 50 mil mudas. 

EOM: Andréa, esclarecemos que a decisão de não usar os campos de golfe existentes na cidade foi tomada com base em extenso estudo técnico da Federação Internacional de Golfe (IGF), responsável pelas competições do esporte nos Jogos de 2016, e encaminhado à prefeitura pelo Comitê Rio 2016. A IGF considerou que o terreno atual seria a melhor opção para atender os requisitos esportivos, operacionais, logísticos e de abertura ao público em geral. Além disso, o projeto do campo de golfe olímpico prevê que, após os Jogos Olímpicos, o espaço seja público por 10 anos, prorrogáveis por mais 10 anos. O objetivo é incentivar a prática do golfe e o turismo direcionado a este esporte. Este fato não seria possível com a utilização dos campos existentes na cidade, que são privados e possuem estatutos que restringem o uso das instalações a sócios e convidados. As características do campo de golfe ainda permitirão que, após os Jogos, sejam realizadas competições de nível internacional na nova instalação.

 

Links / Referências:

http://urbecarioca.blogspot.com.br/2014/09/golfe-para-nao-esmagar-reserva.html

http://urbecarioca.blogspot.com.br/2014/07/extra-sobrevoando-o-campo-de-golfe-e-e.html

 

Carregar mais
Share